Está a pensar adoptar um patudo?

Doença osteoarticular
6 Novembro, 2020
Alerta Natal!
16 Dezembro, 2020

Está a pensar adoptar um patudo?

A companhia de patudos é extremamente estimulante e gratificante, contudo, é importante apenas fazer adopções responsáveis.

Com a chegada da Pandemia Covid-19, o número das adopções de animais de estimação (principalmente cães e gatos), subiu em flecha, pois com o confinamento e a falta de contacto social, muitos se refugiaram nos animais de companhia.

Mas antes de adoptar um amigo de quatro patas, é importante estar consciente do desafio e da responsabilidade que estaremos prestes a abraçar.

Sabe com o que contar?

Continue a ler este artigo para descobrir!

Adquirir um patudo além de muitas alegrias trás também muita responsabilidade.

Quando adquirirmos um amigo novo devemos contar com o previsível e o imprevisível.

Além de ser essencial muito amor temos também a responsabilidade da educação. Criar cães e gatos saudáveis, sociáveis e com ambientes estimulantes requer tempo e trabalho. O treino é uma excelente ferramenta que pode ser usada em ambas as espécies.

Cães e gatos deverão permitir o manuseamento básico, inspecção de boca e ouvidos, bem como o toque em todo o corpo.

É aconselhado também que cães aceitem a colocação de açaime. Mesmo que o nosso cão não seja agressivo, não quer dizer que não deva conhecer o açaime. Em momentos de stress ou de dor, será instinto para alguns cães “dar um aviso” com a boca. Se forem habituados à presença do açaime, certamente um dia que seja necessário coloca-lo não será traumático e aceitará bem a sua presença.

A obediência básica deve ser exigida em ambas as espécies.

Temos ainda de garantir cuidados de higiene, mudança da liteira, passeios (no caso dos cães),…

Eles precisam ainda de atenção e de interação, por isso, reserve momentos do dia para estar com eles e para terem momentos de qualidade.

A alimentação deverá ser de boa qualidade. Uma alimentação rica e equilibrada reduz a maioria dos problemas de saúde e, consequentemente, as despesas médico-veterinárias.

A nível de saúde, o primeiro ano de vida de um patudo é o de maior investimento. Durante esta fase ocorrem as primeiras vacinações, o protocolo de desparasitação interna é mais rígido, ocorre a colocação do microchip e, em muitos casos a esterilização. A partir do primeiro ano de vida, até ser sénior, se o seu amigo for saudável, as despesas de saúde serão menores.

Entrando na geriatria, os cuidados de saúde voltam a ficar mais dispendiosos. Tal como acontece connosco, a saúde vai-se deteriorando e as “mazelas” da idade vão surgindo; problemas cardíacos, articulares, tiroide, tumorais,…

Para se chegar a diagnóstico será necessário a realização de exames complementares de diagnóstico e, após o mesmo ser alcançado, temos ainda as medicações ou outros tratamentos que têm por vista melhorar o estado de saúde e o conforto do seu melhor amigo. É importante que conte com isso e que assuma a responsabilidade de cuidar o melhor possível do seu patudo. Afinal, ele proporcionou-lhe momentos de muita felicidade e esteve sempre do seu lado. É por isso importante que não o abandone quando mais precisa de si.

Além das despesas de saúde planeadas, é importante contar que acidentes e imprevistos acontecem e com isso podem surgir episódios pontuais de doença: gastroenterites, fracturas, otites, pneumonias,… 

Portanto, quando adquirimos um amigo de 4 patas temos o dever de assegurar:

– Conforto

– Alimentação

– Segurança

– Cuidados de saúde

– Higiene

– Educação

– E de lhes dar muito amor, afinal, são parte da nossa família