Dirofilariose: o que é?

Leishmaniose: o que é?
22 de Agosto, 2021
Fisioterapia Veterinária
4 de Setembro, 2021

Hoje vamos falar sobre a Dirofilariose! Mais uma doença transmitida por um vetor; um mosquito do género Culex.

A Dirofilariose é uma doença parasitária provocada pela Dirofilaria immitis, e não é nada mais nada menos que um nemátode (ou se preferirem, uma lombriga) que se aloja e vive no coração.

Esta condição afeta principalmente cães, mas também pode ocorrer em gatos. A diferença é que os cães têm tendência a estar mais expostos, porque saem à rua, e a maioria dos gatos está em regime indoor sendo o risco menor nestas condições. Mesmo gatos que estejam num regime misto, geralmente ao anoitecer, altura de atividade dos mosquitos, tendem a estar em casa.

Como se transmite a Dirofilariose?

A Dirofilariose é uma doença que precisa de um vetor, um mosquito, do género Culex. Tal como na Leishmaniose, apenas as fêmeas são infetantes, pois são as únicas que se alimentam de sangue.

O ciclo inicia-se com um mosquito Culex fêmea a alimentar-se de um animal infetado. Aspira microfilarias (que são formas larvares imaturas deste parasita), que dentro do mosquito sofrem uma diferenciação para larvas infetantes. Quando o mosquito se for alimentar novamente, estas larvas infetantes entram  no corpo do animal e migram até ao coração e artérias pulmonares onde completarão o seu desenvolvimento.

Este processo não é instantâneo. Leva cerca de 15 dias no interior do mosquito e meses (cerca de 6) no corpo do animal.

As dirofilarias adultas podem atingir 35 cm de comprimento.

Quais os sinais clínicos?

Os sinais clínicos aparecem meses depois do animal ser picado e infetado. Devem-se à presença destes parasitas nas artéria pulmonares e no coração. Vão evoluindo com o tempo e iniciam-se de maneira discreta:

  • Tosse crónica
  • Menos tolerância ao exercício
  • Perda de peso
  • Dificuldade em respirar (dispneia)
  • Febre
  • Liquido livre no abdómen em alguns casos (ascite)

Os gatos podem não apresentar sintomatologia e vir a padecer de morte súbita.

A morte dos parasitas pode conduzir a trombose e na ausência de tratamento a Dirofilariose pode ser fatal.

Qual o tratamento?

O tratamento é prolongado e requer um acompanhamento frequente e próximo por parte do médico veterinário. Requer medicação injetável e medicação oral.

Por vezes podem ocorrer reações adversas ao tratamento, quer sejam reações à medicação administrada, quer reações à morte dos parasitas adultos, que pode gerar tromboses. Quanto maior a infestação, maior a probabilidade de reação e maior a sua severidade.

Nos gatos, não existem tratamentos descritos, pelo que a única opção é a prevenção.

Como prevenir?

Para prevenir existem pipetas, comprimidos e medicamentos injetáveis.

A ideia será iniciar a prevenção antes da época anual de atividade do mosquito. Os medicamentos preventivos eliminam as formas larvares do parasita, de forma a que estes não possam evoluir para adultos. Não existe repelência deste vetor. Ou seja, não estamos a manter o mosquito afastado, mas sim a eliminar potenciais parasitas que ele possa ter inoculado nos nossos animais, antes que ganhem dimensões preocupantes que provoquem a doença severa.

Dúvidas? Fale connosco!